Edith Derdyk
setembro de 2009

(1)Título dado por Thais Szabon ao seu TCC apresentado em junho de 2009 na FAAP.

As outras cartografias(1)de Thais Szabzon são escrituras de lugares que habitam o fio tênue entre ser reconhecido ou não, nomeado ou não. Aqui, acolá, em algum lugar, em todos os lugares.

Linhas costuradas no papel: enroladas, soltas ou amarradas, entroncadas, entrecruzadas, tramando regiões e lugares. Por vezes os fios costurados sugerem as grades de referências de localização de tempo e espaço, tal como identificamos nos mapas; por outras os fios ficam soltos, saindo do campo, do espaço, da superfície. A condição destes fios estarem agarrados ou não no espaço físico do papel, nos colocam num estado de indeterminação.

Entre o sim e o não, existe algum lugar?.

Este lugar liga o espaço entre uma coisa e outra?

Talvez este lugar aponte para uma outra noção de linha: não a linha clássica, de contorno, que determina os territórios de dentro e de fora de algum objeto desenhado, mas para uma natureza de linha (não representacional mas fisicamente presente – a linha de costura) onde nunca se sabe exatamente onde algo inicia e termina.

Tal como a linha de horizonte que não existe fisicamente, apenas na visão, sugerindo o encontro das matérias:onde termina o céu e começa a terra?

Se localizarmos o conjunto de trabalhos que Thais Szabzon apresenta nesta sua primeira exposição individual, considerando o contexto dos mapas como sistemas de representação de espaço onde vigoram códigos - não só gráficos mas ideológicos -, estes trabalhos nos colocam num terreno movediço.

Thais Szabzon , artista jovem recém-saída da FAAP, nos alimenta com suas indagações: onde afinal estamos?